sábado, 27 de março de 2010

Os Nardoni


Após o exaustivo julgamento do casal Nardoni, o sentimento que resta é de absoluta desolação e pena. Por que, ainda que condenados os réus, há a sensação de que a estrita justiça não foi feita... Que jamais haverá justiça nesse caso.

Como poderia haver justiça? Se duas famílias foram dilaceradas por uma desgraça... Uma jovem mãe para sempre sem a filha querida, duas crianças afastadas dos pais de que precisam, pais obrigados a frequentarem uma penitenciária para visitar os filhos condenados, e todos os outros com essa lacuna insuportável que deve ser a ausência do sorriso de uma criança...

A estrita justiça seria um pai capaz de amar e proteger a filha, de cuidar para que ela crescesse saudável. Uma mulher capaz de aceitar uma enteada, senão com afeto de mãe, pelo menos com a solidariedade que as mães sabem muito bem oferecer às outras mães. Seria uma criança não ser ameaçada dentro da própria casa, e não sofrer uma agressão capaz de levá-la à uma morte trágica... Seria um casal poder criar os filhos e conviver em família sem nunca se tornarem criminosos...

A estrita justiça seria que nada disso tivesse acontecido, porque num caso como esses, não restam réus e vítimas, são todos vítimas...

Um comentário:

Andressa Paixão disse...

Concordo Nanda. Mas que eles mereceram essa punição, mereceram.