quarta-feira, 30 de março de 2011

Mania de Ser Feliz...

Muitas pessoas, se questionadas, não saberão dizer o que é Felicidade para elas. Hoje o ideal de FELICIDADE está tão sofisticado que é quase inalcançável para a maioria de nós, mortais. E tudo o que fazemos e construímos tem um objetivo: alcançar a felicidade. Mas o que se percebe é que cada vez mais as pessoas estão sofrendo. Sofrendo com a violência, com a falta de sabedoria para conduzir suas vidas, com depressões e problemas psicológicos, com frustrações.


Se analisarmos friamente, o que é a felicidade? Um produto criado pela mídia e comprado por nós para divulgar outros milhares de produtos que parecem ser indispensáveis na nossa vida - e consequentemente, nossa felicidade. Um carro novo. Um aparelho de tecnologia ultramoderna. Um apartamento de cobertura com vista para o mar. Uma conta bancária recheada. Pessoas perfeitas, lindas e sorridentes cruzando nossos caminhos todos os dias. Sucesso. Muito sucesso. Em todos os âmbitos da existência. Viagens fascinantes. Beleza incondicional. Paralisação do envelhecimento. Coisas e mais coisas pelas quais podemos pagar. Desde quando a Felicidade se tornou um bem que podemos comercializar?

Se vivêssemos com o objetivo de viver, a felicidade cairia para segundo plano. E existiria, apesar dos pesares. Por que a felicidade é tão somente a maneira como escolhemos enxergar o mundo à nossa volta. Quando eu digo que o nosso objetivo deveria ser viver, quero dar a entender que o que importa na nossa curta passagem pelo mundo, é atravessar cada experiência obrigatória da forma mais intensa possível. Sentir nossas alegrias, nossas tristezas, nossas dores, nossas doenças. Sentir e viver cada minuto, bom, ruim, maravilhoso e desesperador. Por que é para isso que vivemos. Não é para sermos felizes. Não existe um só ser humano na face da terra que não tenha passado pelo seu quinhão de sofrimento e de euforia. E é maravilhoso observar que algumas pessoas tem tanta consciência disso, que se consideram muito felizes, mesmo que não se enquadrem em nenhum modelo pré estabelecido.

Mas se estamos tão obcecados pela tal Felicidade, como viver? Como apreciar as coisas simples e cotidianas que nos são dadas, se estamos de olho em algo sempre idealizado, sempre futuro, sempre fora do nosso alcance? Que obrigatoriedade é essa de ser bom, feliz, pleno, agradável, constante, forte?

Vejo pessoas batalhando incansavelmente para cumprir um objetivo e logo que o alcançam, partem para a próxima batalha. É insano como as coisas mais almejadas perdem o valor quando conquistadas. Por que fazemos da nossa vida uma eterna procura, por que não estabelecemos o momento de parar? Por que estamos esperando a vida COMEÇAR, se nos aproximamos da morte no momento em que nascemos?

Também estou procurando a felicidade, como vocês. Nem sei o que ela é. Às vezes estou em paz, em casa, vendo tudo ao meu redor em seu perfeito lugar. E me sinto ansiosa de repente. Como se estar parada atrasasse minha busca pela tal felicidade. Mas se eu pensar melhor, se eu fechar os olhos e enxergar dentro de mim, vejo a felicidade lá, sorrindo marota, e me dizendo: Aquiete-se, eu estou bem aqui! Eu sou esse momento de paz que você está vivendo em sua casa, sou o programa de televisão chato que você pode assistir jogada num sofá, sou o barulho do vizinho que você pode ouvir por que tem ouvidos, sou seu coração batendo nesse exato momento, vivo!

Então seguro a mão da Felicidade e vamos dançar!

5 comentários:

César Pinheiro disse...

Gostei muito do texto! Essas reflexões me fazem pensar q todo mundo tem esse desejo, mas não é mais fácil pra ninguem conquistar, mesmo para quem já conseguiu muita coisa. A parte q vc falou q geralmente estamos sempre procurando por uma nova meta é real. Os objetivos são o q me levam pra frente e me deixam viver e correr atras, mas vc tb tem q valorizar a todo o momento o q vc conquistou!

É muuuuuuito complexo! rsrsrs. Acho q felicidade é momento mesmo! E nós usamos nossas experiencias de vida para comparar ao atual momento, o q leva a estabelecer se estamos felizes ou não. Mas em todo caso, é essencial termos passado por um pouco de tudo, mesmo que seja doloroso.

Rogerio disse...

Como diz Oscar Wilde, "A vida é o que acontece enquanto estamos pensando em outra coisa". Pois é. E experimentar felicidade está diretamente relacionado com viver.

Outra coisa curiosa em relação a felicidade. Muitas pessoas felizes, como voce mesma citou, passaram por situações extremamente adversas. A percepção da adversidade ajuda a perceber os momentos felizes. É como se fossem dois lados de uma mesma moeda, como a luz e a sombra.

Só somos capazes de dizer onde há luz porque sabemos identificar também as sombras.

Menina MA disse...

Bonita sua reflexão, Fernanda.
"É isso aí..." e não é de Coca-Cola, não.
É da nossa experiência mais íntima da vida, do gosto, do cheiro, dos sentidos, todos! Da intensidade e do poder de reescrever e narrar a sua história sempre de maneira diferente e pessoal. Olhar para trás e ver paz, sentido, conexão.
Se "sentir bem na sua pele" é uma expressão francesa que ouvi e gostei muito.

Gosto de ver que aquela meninha virou uma Mulher, com M maiúsculo e H de humano.
Beijos

Andressa disse...

Concordo plenamente com você ( mais uma vez, hehe.
Felicidade é aquele momento em que você está em paz. Que percebe como as coisas simples são bonitas. É uma pena que a gente passe a maior parte da vida procurando por algo que já veio conosco de fábrica...

Fernanda Fiuza disse...

Agradeço as contruibuições carinhosas para minha reflexão... Dessa, interessante seu comentário sobre "o que veio conosco de fábrica". Tem um livro inteiro do Dalai Lama defendendo essa idéia. A de que a Felicidade é um traço da personalidade de cada um. Beijos!